Arquivo da categoria: Produção Industrial

Maior inadimplência das empresas

De acordo com o Serasa, a inadimplência das empresas cresceu no mês de outubro. Na comparação com setembro a alta foi de 13,3%. Quando comparada ao mesmo mês do ano passado, o registro é de um crescimento de 0,8%.

Para o Serasa, a alta reflete o comportamento das taxas de juros, a incerteza sobre a trajetória do câmbio e a piora do cenário para a economia brasileira no curto prazo. No ano (janeiro a outubro), a inadimplência cresceu 1,4%.

O valor médio das dívidas não bancárias ficou em R$ 811,48 no ano, alta de 6,2%. As dívidas bancárias ficaram em R$ 5.230,33, em média, no mesmo período, queda de 0,8%. Com relação aos títulos protestados, houve uma alta de 5,1%, com o valor médio ficando em R$ 2.055,25. Para os cheques sem fundo, o valor médio foi de R$ 2.432,90, um aumento de 7,1% na comparação com janeiro a outubro de 2012.

 

Anúncios

Empresas cobram definição sobre PSI

Com vigência até 31 de dezembro nos moldes atuais, o Programa de Sustentação do Investimento (PSI) do BNDES foi um mecanismo importante para a recuperação das vendas internas de máquinas agrícolas em 2013.

Porém, as empresas cobram uma definição de como será conduzido o programa durante o próximo ano, sobretudo no que diz respeito às taxas de juros que serão cobradas.

Os representantes do setor temem que esta indefinição prejudique o mercado durante o primeiro trimestre de 2014, pois há uma expectativa de que as instituições financeiras, que também cobram uma definição do governo, suspendam os financiamentos neste final de ano. Por enquanto não se tem uma definição, mas como o final do ano se aproximando, terá que ser tomada uma decisão sobre os rumos do programa, sob pena de prejudicar o faturamento do mercado.

Venda de veículos em outubro

Os números da ANFAVEA para as vendas de veículos automotores novos em outubro foram divulgados no início de novembro. De acordo com a associação, foram vendidas 330,2 mil unidades no décimo mês do ano, o que corresponde a uma queda de 3,3% frente ao resultado do mesmo mês de 2012. Na comparação com setembro, houve crescimento de 6,6%.

Com o resultado, os números acumulados apontam para uma venda de 3,11 milhões de veículos até outubro, queda de 0,7% frente ao apresentado no mesmo período do ano passado.

Considerando apenas as vendas de carros de passeio e utilitários leves, as vendas atingiram 313,9 mil unidades, queda de 4% frente ao resultado de outubro do ano passado e alta de 6,6% na comparação com setembro deste ano.

O destaque fica por conta das vendas de ônibus. As 2,9 mil unidades comercializadas em outubro significaram um aumento de 47,2% frente ao mesmo mês de 2012. Já comparada a setembro, a elevação foi de 7,4%.

Para o ramo de caminhões, foram 13,4 mil vendidos no décimo mês do ano. O montante é 6,1% maior do que o alcançado em outubro do ano passado e 5,3% acima do registrado em setembro deste ano.

Produção de máquinas agrícolas

No mês de outubro, de acordo com a ANFAVEA, foram produzidas 10 mil unidades de máquinas agrícolas, o melhor desempenho da história para o mês. O crescimento foi de 29,4% frente ao de outubro de 2012 e de 13,9% na comparação com setembro deste ano.

O resultado acumulado aponta uma produção de 85,8 mil unidades, alta de 20,8%. O bom desempenho reflete o mercado agropecuário aquecido, com melhora nas vendas. O mercado interno absorveu 71,2 mil máquinas agrícolas até outubro, já superando o total do ano de 2012. No mês de outubro foram 7,3 mil unidades, com queda frente a outubro de 2012 e em relação a setembro deste ano.

Produção recorde de veículos para outubro

No início de novembro, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, ANFAVEA, divulgou os dados da produção de veículos no território nacional para outubro. Foi alcançado o recorde histórico para o mês, com produção de 323,8 mil unidades, alta de 0,5% frente ao resultado do mesmo mês do ano passado. Frente ao resultado de setembro, houve queda de 2,5%. O resultado acumulado do ano apontou um crescimento de 12,4%. Foram 3,17 milhões de unidades produzidas, com um fator importante. Pela primeira vez a marca de 3 milhões de unidades foi ultrapassada já no décimo mês do ano.

A melhora da produção é atribuída tanto ao mercado externo um pouco mais aquecido e também ao programa de estímulo Inovar-Auto, de incentivo ao produtor local.

Toyota na liderança

A montadora japonesa, apesar de mostrar uma queda das vendas na China, motivada pelo aumento da rivalidade recente entre os países, obteve a liderança nas vendas mundiais do setor automotivo. Foram 4,91 milhões de automóveis e caminhões no primeiro semestre, menos 1,2% do que o registrado no mesmo período do ano passado.

A General Motors ficou com a segunda posição no ranking, com 4,85 milhões de unidades vendidas, um aumento de 4% frente ao primeiro semestre do ano passado. As duas vieram alternando a primeira posição, mas agora a Toyota se fixou em primeiro lugar.

Na terceira posição ficou a Volkswagen, com 4,7 milhões de unidades vendidas no primeiro semestre deste ano.