Faturamento do mercado de cartões

Em 2013, o faturamento do mercado de cartões de crédito cresceu 14,7% em relação ao ano anterior, chegando a R$ 534 bilhões. Nos cartões de débito a alta foi de 23,4%, com R$ 293 bilhões.

Foram 5 bilhões de transações no crédito e 4,9 bilhões no débito, segundo o Banco Central, o que representou um aumento de 12,2% e de 18,9%, respectivamente.

Outro dado divulgado foi o número de cartões ativos, que chegou a 87,5 milhões, sendo que 41,8 milhões na bandeira Visa e 36,7 milhões no Mastercard.

No débito, são 106,2 milhões de cartões ativos, sendo 50,5 milhões no Visa e 45,8 milhões no Mastercard.

Vendas de materiais de construção

Em janeiro, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de materiais de Construção (Abramat), as vendas internas de materiais de construção crescem 1,5% em relação ao mesmo mês do ano passado e 9,3% frente ao resultado de dezembro de 2013.

Por categoria, as vendas de materiais básicos cresceram 0,2% frente ao mês de janeiro de 2013 e 15,5% na comparação com dezembro. Itens de acabamento começaram o ano com alta de 3,9% e queda de 1,1% nas mesmas bases de comparação, respectivamente.

A projeção do setor para 2014 é de uma alta de 4,5%.

Inadimplência das empresas sobe em 2013

Dados do Serasa Experian divulgados no final de janeiro apontaram alta de 2,5% na inadimplência das pessoas jurídicas no ano de 2013. O resultado é o melhor dos últimos anos, já em no último biênio o crescimento superou os dois dígitos. Considerando só o mês de dezembro, a alta foi de 10,1% frente dezembro de 2012 e houve queda de 1,9% frente a novembro.

As dívidas não bancárias tiveram um valor médio de R$ 814,05 no ano, alta de 7,0% a 2012. Já as dívidas bancárias ficaram em R$ 5.316,20 em 2013, crescimento de 1,3%.

Previsão de aumento no consumo de energia

A pequena recuperação da indústria em 2014 deve ser suficiente para que o consumo de energia cresça em 2014. A tendência é de que haja um acréscimo de 3,8%, variação maior do que a ocorrida em 2013, cuja alta ficou em 3,5%.

No ano passado, o consumo residencial e o comercial puxaram a demanda por energia, mas no final do ano foi detectada uma recuperação no consumo industrial, com esta tendência se mantendo para o resto do ano 2014.

Consumo de cimento deve aumentar em 2014

As vendas das empresas brasileiras de cimento alcançaram 70 milhões de toneladas em 2013, alta de 2,4% frente ao resultado do ano de 2012.

Para 2014, a tendência é de um aumento de 2,4% no consumo interno de cimento, mas ainda é cedo para estimativas mais conclusivas, pois teremos um ano com mais feriados e com paralisações devido à Copa do Mundo. A continuidade das obras de infraestrutura e a retomada da construção civil (que teve um 2013 complicado) podem melhorar as perspectivas do setor.

O consumo aparente também pode perder um pouco, já que o dólar deve ter um ano de valorização, podendo melhorar nossos embarques e diminuir o volume importado.

Venda de máquinas agrícolas

As vendas internas de máquinas agrícolas atingiram 83,1 mil unidades em 2013, recorde histórico para o setor. O mercado foi beneficiando, entre vários motivos, pelos juros atrativos do Programa de Sustentação do Crescimento (PSI) do BNDES, além da melhora da safra agrícola e dos preços.

A produção também foi significativa, ultrapassando pela primeira vez as 100 mil unidades, alta de 20% e em um montante muito acima do previsto pela ANFAVEA. Já as exportações ficaram em 15,6 mil unidades, também acima das expectativas, e beneficiadas pela melhora nas vendas para mercado como Colômbia e Peru. Mesmo assim, os embarques foram menores do que o resultado de 2012.

Para este ano, a tendência é de que as vendas internas cresçam de forma mais modesta, podendo chegar a 84 mil unidades. O mercado pode ter um impulso com as vendas de máquinas rodoviárias (que entram na contabilização das máquinas agrícolas) por conta da retomada das obras de infraestrutura do governo.